Alternativas ao Cialis

Nem sempre as pessoas podem lançar mão de um determinado medicamento. A escolha por uma ou outra alternativa de tratamento varia conforme a situação de saúde na qual a pessoa se encontra, como por exemplo estar exposto a uma doença crônica como a diabetes ou problemas cardíacos. Seguindo esta linha de pensamento, o tratamento que funciona para alguns homens não necessariamente pode ser eficaz para outros.

A disfunção erétil ou impotência sexual é um problema que afeta muitos homens e algumas opções de medicamentos para cuidar do problema são o Viagra, Levitra e Spedra. Cada uma dessas alternativas pode ser considerada no lugar do Cialis. Optar por um ou outro medicamento é uma questão relacionada à saúde do paciente e à prescrição médica indicada.

Viagra

O Viagra é um medicamento existente no mercado desde o ano de 1998. Ele é um poderoso recurso para cuidar desses problemas masculinos. O Viagra é reconhecido ao redor do mundo pela sua eficácia no cuidado dessas disfunções. Ele age inibindo a ação de uma enzima conhecida pelo nome de fosfodieterase 5. A ação inibitória ocasiona o maior fluxo sanguíneo para a região íntima. Por este motivo, o consumo de Viagra favorece a ereção.

O Silldenafil é o componente ativo do medicamento. Esse ingrediente possui uma ação que dura entre 30-50 minutos. No entanto, há casos registrados de pacientes que conseguiram manter a ereção por quatro horas. O efeito do Viagra está relacionado à dosagem e às características do paciente. É recorrente que os efeitos da substância durem por quatro horas, mesmo não significando que a pessoa contará com uma ereção sem interrupção por todo este tempo. O relatado é que enquanto o homem estiver sexualmente estimulado ele poderá sentir a ação da droga perpetuando a ereção.

Embora este medicamento seja recomendado, como qualquer outro remédio, ele conta com efeitos colaterais tais como dores de cabeça, problemas digestivos e diarreia, dores no corpo, vermelhidão na pele. Também é comum o aparecimento de gripe, vertigem, enxaqueca, distensão abdominal, retenção de líquido, insônia, tremores, aumento de peso, dormência, deficiência visual, hemorroidas, perda de cabelo, febre, inflamação do intestino entre outros.

O Viagra não pode ser administrado aos pacientes que tenham hipersensibilidade a algum dos componentes da fórmula, pacientes com disfunções hepáticas ou cardíacas, doenças oculares hereditárias, perda de visão, anemia falciforme, doença cardiovascular, úlcera estomacal. No que tange à interação medicamentosa, é importante prestar atenção à dosagem do Viagra em caso de tratamentos com claritrimicina, eritromicina, saquinavir, nefazodona e cimetidina. Evite a ingestão de Viagra quando estiver consumindo cetoconazol, ritonvir e itraconazol. Não se deve ingerir Viagra com suco de laranja, álcool, nitratos e medicamentos para tratar pressão alta.

Conhecendo o Levitra

O componente deste medicamento é o Vardenafil, estimulante sexual ideal para homens que possuem disfunção erétil. Esta é outra droga que inibe a enzima PDE-5. Ao inibir a enzima que reduz a ocorrência de ereções, é possível constatar um melhoramento na qualidade e durabilidade da ereção. A ação da substância ativa é registrada em menos de 25 minutos após a ingestão deste fármaco. O produto é apresentado em embalagens de vardenafil de 5, 10 e 20 mg. Para quem esta iniciando o tratamento agora é recomendada a utilização de Levritra 10 mg. A duração dos efeitos de Levitra é de aproximadamente cinco horas, no entanto, a ereção deverá ocorrer quando o paciente estiver sendo estimulado sexualmente.

No que se refere aos efeitos colaterais, quem consome este medicamento poderá sentir dores de cabeça, indigestão, vermelhidão facial, tontura e rinite. Sobre as contraindicações, este medicamento não pode ser ingerido por quem possui hipersensibilidade a algum dos componentes da fórmula. Não pode ser ministrado aos pacientes que estão fazendo uso de nitratos, indinavir, ritonavir, inibidores do CYP 3ª4 tais como cetoconazol, eritromicina, itraconazol e ciantromicina.

Spedra

Spedra também é um medicamento usado para tratar a disfunção erétil. Ele é apresentado em comprimidos com 50 mg do ingrediente ativo chamado avanafil. Para que este medicamento seja eficaz é preciso que haja a estimulação sexual. Para que ele entregue os resultados desejados, precisa ser ingerido de 15 a 30 minutos antes da relação sexual. Não há nada que demonstre que Spedra não possa ser consumido por pessoas com mais de 65 anos. Além disso, Spedra pode ser usado de maneira controlada por pessoas que padeçam de doença renal leve ou moderada, sendo contraindicado em casos de doença renal grave.
Este medicamento está expressamente contraindicado em caso de insuficiência hepática grave, no entanto nos casos de nível leve e moderado, o medicamento está permitido. O Spedra está contraindicado no caso de pacientes que estejam usando medicamentos inibidores do CYP3A4. Caso seja avaliada a situação e seja permitida a utilização deste remédio nesses casos, a dosagem não pode superar 100 mg sendo necessário respeitar um intervalo de 48 horas. Pacientes que possuam hipersensibilidade a esta droga devem evitar o seu consumo.

Comparando Viagra, Levitre a Spedra

Todos estes medicamentos agem inibindo a enzima PDE-5, contudo eles variam em tempo de ação, durabilidade dos efeitos e resultados. Este último ponto está relacionado às condições de saúde do paciente. Mesmo Viagra sendo o medicamento pioneiro e o mais conhecido no mundo em termos de tratamento da disfunção erétil, o avanço da tecnologia e aparecimento de novas técnicas propiciaram o surgimento de novos tratamentos.

A duração dos efeitos dos medicamentos também é um diferencial. No caso do Viagra ele perpetua a sua ação por quatro horas enquanto houver estímulo sexual, já o Levitra tem duração de cinco horas. O Spedra pode gerar efeitos por até seis horas.
Outra informação importante é que os diabéticos são pacientes que não podem consumir Viagra, no entanto estão liberados para ingerir Levitra.